Sonhos de presentes de crianças no Natal

Luis Roque Klering *   

Na véspera deste Natal, fui conhecer o projeto "Papai Noel do Correio" (da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT), em que voluntários adquirem presentes solicitados ao Papai Noel, com endereço num imaginário "Pólo Norte", ou outro fictício qualquer.  Achei graça, mas fui conhecer e ajudar a "adotar" algumas crianças, ou seja, adquirir anonimamente presentinhos solicitados, e deixá-los no prédio do "Antigo Correio", no centro de Porto Alegre, onde embalam os mesmos e os levam de caminhão com um Papai Noel, aos endereços indicados nas cartas das crianças.

Ao chegar na sala de embalagem dos presentes, me surpreendi com a quantidade de bicicletas, bonecas e outros presentes de bom valor, que estavam sendo "despachados" pelo Papai Noel e sua equipe (quase todos trabalhando em horas extras, ou de forma voluntária, coordenados por um senhor de sobrenome Brum).

O programa da ECT nasceu há alguns anos, e vem ganhando corpo ano após ano. Ainda é bastante simples e informal, sobrevivendo do apoio de voluntários e da boa vontade de funcionários da instituição, que doam tempo e esforço à iniciativa. Na época de Natal, a ECT recebia cartas singelamente dirigidas ao "Papai Noel" do Pólo Norte, sem outro complemento. Foram, então, surgindo providências para atender aos pedidos, até dos próprios carteiros, que compravam por conta própria ou arrumavam doadores dos presentes solicitados. 

Quem lê as cartas das crianças, não deixa de sentir alguma emoção e integrar-se ao espírito de Natal. São centenas de cartas, muitas das quais não serão atendidas. Como aquela de um menino pedindo "um teclado bem simples, que sua mãe iria batalhar para ele conseguir fazer um curso baratinho". 

Quando escrevem, as crianças se esforçam em conquistar a simpatia do geralmente "querido Papai Noel". Outras recorrem à simpática expressão do "oi Papai Noel". Quando as crianças têm ao redor de cinco anos, gostam de usar a linguagem dos desenhos (ou das caricaturas), para expressarem melhor seus pensamentos e sentimentos. Geralmente pedem presentes novos, mas que também "não tem problema se forem usados".  Um aspecto que chama a atenção nas cartas é o sentimento das crianças em relação às suas famílias. Geralmente pedem presentes, porque os pais não têm dinheiro suficiente para comprar o que gostariam de receber. Com poucas exceções, pedem para si, mas também para os irmãos, dos dois aos doze anos. Muitas referem que foram comportadas, que passaram de ano, e que irão emprestar os brinquedos para amigos.

Sem ferir a singeleza, intimidade e inocência dos missivistas, apresentam-se alguns trechos (da forma como foram escritos) de cartinhas enviadas ao Papai Noel do Correio, ou mesmo do Pólo Norte:

- Oi, Papai Noel, eu sou ... tenho 7 anos... Adoro jogar bola... eu gostaria de ganhar uma bola de futebol pode ser usada eu vou jogar com os meus 3 irmãos... Oi, Papai Noel eu vou emprestar e jogar com o meu amigo... eu sou um menino bom.

- Papai Noel / Pólo Norte ... estou escrevendo esta cartinha porque chegou a época mais feliz do ano. O Natal que é o aniversário do Jesus... eu gostaria de ganhar um fichário do puft, um lapitope da Xuxa. Se puder dar. Quero lhe dizer que tenho irmãos, uma menina de dois anos e ela gostaria de ganhar um celular de brinquedo, e uma menina de seis anos, ela gostaria de ganhar uma casinha da Barbi. (Segue um desenho da menina de 6 anos)

- Querido Papai Noel, se o senhor achar que mereço por favor gostaria de ganhar uma boneca grande e com cabelo bem comprido...

- mamãe é solteira e está desempregada a 3 anos por isso meu sonho é ganhar um skate e para o mano um Dragon Bol. Muito obrigado Papai Noel.

- Querido Papai Noel, meu nome é ... e tenho cinco anos, não sei escrever, por isso pedi pra minha mãe escrever esta cartinha te pedindo que neste Natal tu me presenteie com uma boneca tre-lê-lê... te agradeço muito...

- Eu gostaria de ganhar neste Natal uma calça com saia grudada e uma blusa com manga bem justa e aparecendo bem a barriga. Também gostaria de ganhar a sandália Vanessa... gostaria de ganhar muito esse presente.

- meu nome é ... e tenho cinco anos... eu me comportei bem mais não sei se vou ganhar presente... meu sonho é ter um robô de controle... eu não tenho brinquedo. Querido Papai Noel... (segue um desenho com rabiscos de criança).

- ... então eu peço qualquer brinquedo que quiser me dar pra mim e meus três irmãos, de cinco anos, 11 anos e 6 anos.

- Querido Papai Noel... tenho 9 anos... te escrevo pra ganha um teclado pode ser simples... o curso minha mãe vai batalha e pagar com o salário que ela ganha pode pagar um curso baratinho... eu fico na creche pra minha mãe pode trabalhar e de tarde vou pro colégio...

- Oi Papai Noel eu estou mandando esta carta para ver o meu sonho se realiza, bom eu vou contar para você o meu sonho, bom o meu sonho é ganhar uma bota de cano longo preta eu calço o número 35...

Várias destas cartas não encontrarão o "querido Papai Noel", mesmo que os presentes pedidos sejam bem singelos. É certo que muitos pequeninos ficarão frustrados, não compreenderão bem porque o Papai Noel é generoso em algumas casas, e em outras ele tem como que vergonha de passar. 

O projeto "Papai Noel do Correio" constitui uma bela iniciativa de uma instituição de prestígio nacional, que empresta seu nome para levar um pouco de alegria e esperanças a crianças, com o apoio e a solidariedade de pessoas anônimas.  Assim, o mundo se torna um pouco mais justo, e o espírito de Natal chega, também, em alguns lares mais.

Um bom Natal a todos, de muita magia, amizades e esperanças de um mundo sempre melhor.

Veja algumas imagens ilustrativas da sala de embalagem de presentes:   1,    2,    3,    4,    5,    6 

 =>   Outros artigos de Luis Roque Klering:  veja aqui.